Arquivo de ‘Dacriocistografia’ Categoria

Dacriocistografia (DCG)

Tuesday, October 12, 2010 @ 04:10 PM  postado por admin

A dacriocistografia (DCG) é um exame radiológico contrastado das vias lacrimais e está indicado nos pacientes que apresentam lacrimejamento excessivo e persistente. É realizado por médico oftalmologista com conhecimento clínico e cirúrgico nas patologias das vias lacrimais.

A DCG é uma técnica diagnóstica clínica valiosa e que submete o paciente a um mínimo de complicações ou riscos, nos fornecendo preciosas informações que não podem ser obtidas com outros métodos diagnósticos. Após anestesia tópica com colírio anestésico, cateterizamos os canalículos lacrimais e efetuamos a realização das películas radiológicas.

É útil para localizar a obstrução parcial ou total do sistema de drenagem lacrimal e identificar os fatores etiológicos comprometidos. É de grande utilidade para os pacientes com bloqueio funcional e permeabilidade do sistema excretor.

Com a dacriocistografia poderemos identificar os cálculos lacrimais, os tumores, os divertículos, as fístulas e as seqüelas traumáticas e programar corretamente o tratamento.

Em Fortaleza o Dr. Levi Madeira, médico oftalmologista, realiza este exame e emite laudo detalhado com as imagens digitalizadas e envia ao médico solicitante também através da internet (e-mail)

Algumas Imagens de DCG

Dacriocistografia

Caso 1: DCG mostrando retenção do contraste no saco lacrimal do olho direito e normal no olho esquerdo

Dacriocistografia

Caso 2: DCG mostrando retenção do contraste no saco lacrimal do olho esquerdo e normal no olho direito

Dacriocistografia

Caso 3: DCG mostrando retenção do contraste no saco lacrimal do olho direito e normal no olho esquerdo

Dacriocistografia

Caso 4: DCG mostrando retenção do contraste no saco lacrimal do olho direito e esquerdo

LAUDO:
Paciente encaminhada com epífora em ambos os olhos para dacriocistografia (DCG). Inicialmente fizemos uma película simples em PA que mostrou estruturas ósseas sem anormalidades. Cateterizamos os canalículos lacrimais inferiores e injetamos o contraste que apresentou resistência e refluiu pelos próprios canalículos inferiores sem retorno pelos superiores. Cateterizamos então os canalículos superiores e injetamos o contraste que passou livremente até a cavidade nasal. Pelas imagens dacriocistográficas em ambos os olhos visualizamos contraste apenas nos canalículos inferiores quando o mesmo foi injetado por estes canalículos. Por outro lado, visualizamos contraste nos sacos lacrimais, ductos naso-lacrimais até na cavidade nasal, quando a via de acesso para a injeção do contraste foram os canalículos superiores.

CONCLUSÃO:
Paciente apresenta obstrução distal dos canalículos inferiores em ambos os olhos tendo indicação de reconstituição destes canalículos. As demais partes anatômicas do sistema de drenagem lacrimal está permeável não tendo indicação de dacriocistorrinostomia